Devocional Diário

 Certo dia, sendo Moisés já adulto, foi ao lugar onde estavam os seus irmãos hebreus e descobriu como era pesado o trabalho que realizavam. Viu também um egípcio espancar um dos hebreus. Correu o olhar por todos os lados e, não vendo ninguém, matou o egípcio e o escondeu na areia.… Quando o faraó soube disso, procurou matar Moisés, mas este fugiu e foi morar na terra de Midiã.”

Êxodo 2: 11-12, 15a

DE HERÓI A NADA

O que você faria se perdesse tudo? De repente, seu status social, carreira, amigos, família e influência simplesmente desapareceram. Do estrelato das celebridades, do sucesso nos negócios ou da perspicácia política, as histórias de pecado expostas e a queda feia da grandeza são comuns demais – pense em Harvey Weinstein e Richard Nixon, para citar alguns. Este é um cenário que Moisés também entendia. Crescendo como um príncipe adotivo na casa de Faraó por 40 anos, Moisés teve tudo – apenas para perdê-lo da noite para o dia, graças a um erro impulsivo e pecaminoso.

Mesmo com todo o seu privilégio, Moisés estava ciente de sua herança hebraica. Então, quando ele encontrou um egípcio sendo fisicamente abusivo em relação a um hebreu, Moisés agiu e matou o agressor. Ao testemunhar tal injustiça, a indignação e a ira de Moisés eram justificadas – mas ele seguiu o caminho errado. É um exemplo clássico de como procurar fazer a coisa certa da maneira errada é sempre errado.

Vivemos em uma cultura onde o pragmatismo é quem manda – desde que você obtenha os resultados que deseja, não importa como você chega lá. Mas Deus quer que reconheçamos que a moralidade sempre importa para Ele, mesmo quando lutamos contra a injustiça. A resposta impensada de Moisés naquele momento lhe custou 40 anos no deserto. Por causa de um momento, de uma ação, ele perdeu tudo. Mas Deus pode transformar até as piores circunstâncias em boas. Deus usou aqueles 40 anos do deserto para preparar Moisés para a grandeza e provou mais uma vez que Deus pode redimir até mesmo os nossos maiores fracassos – se nós o permitirmos. Dos 80 aos 120 anos, Moisés é um ótimo lembrete disso!

Imprimir