Devocional Diário

Vocês ouviram o que foi dito aos seus antepassados: ‘Não matarás’, e ‘quem matar estará sujeito a julgamento’. Mas eu lhes digo que qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento. - Mateus 5:21,22a

ASSASSINO? QUEM, EU?

Se eu fosse fazer uma enquete hoje sobre os mandamentos que você acha que nunca quebrou, eu tenho certeza que a maioria de nós poderia dizer, “Bem, pelo menos eu nunca matei ninguém!”  Espere – Jesus diz que a raiva é igualada com o assassinato.  É um pecado aos olhos de Deus.  Opa!  Isso não pode estar certo, pode?  Quero dizer, todos nós provavelmente concordaríamos que assassinato é o pecado mais grave que o homem pode cometer.  Mas Jesus está dizendo: “Olhe.  Raiva e assassinato são iguais aos olhos de Deus quando se trata da gravidade do pecado”. [Minha paráfrase]

Bem, é toda a raiva errada?  Não, não é.  Em Efésios 4:26, diz, 6 “Quando vocês ficarem irados, não pequem”. Agora, como Ele pode nos dizer que nós podemos ficar com raiva e ainda assim não pecar se raiva é igualada a assassinato aos olhos de Deus? Ainda está confuso?

Bem, quando Deus não é respeitado, a raiva é justificável.  E quando se tira vantagem do nosso próximo, especialmente aqueles que são mais indefesos — alguém a nascer, uma criança, uma viúva ou os pobres, aqueles que têm tempos difíceis ao se defender — onde há injustiça, então pode haver uma raiva justa que move uma pessoa a se defender. Mas mesmo assim, se perdermos o nosso temperamento, ainda caímos no pecado de raiva.  Pois mesmo quando há uma raiva justa, esta raiva deve ser controlada e quanto mais nos tornamos bravo, mais facilmente o pecado começa a assumir o controle da nossa vida.

Mas, a raiva que é sempre pecado e equiparado com assassinato é quando ficamos furiosos com aqueles que nos enganaram. Talvez tenhamos que enfrentar seus delitos, mas não em raiva. Então, o que Jesus está ensinando é que Deus nos julga pelos nossos pensamentos e motivações tanto quanto nossas ações. Jesus é nosso modelo, quando ele foi injustamente executado na Cruz, e ele orou, “Pai, perdoa-lhes, pois eles não sabem o que fazem”.

Imprimir